Solar

O que fazer com a energia solar excedente?

O que fazer com a energia solar excedente?

16 de agosto de 2022 0 4 min de leitura

O que fazer com a energia solar excedente?

 

O uso da energia solar no Brasil tem demonstrado ser a melhor estratégia para economizar na conta de luz a partir de um sistema próprio de produção! Os inversores ou microinversores solares convertem a energia do sol para gerar eletricidade com economia para os proprietários, que podem ainda transferir a energia solar excedente para outros endereços de mesma titularidade.

Quando o sistema fotovoltaico do local produz kilowatts (créditos) suficientes para cobrir seus próprios gastos, o que sobrar, entra na transferência dos créditos de energia solar e pode ser revertido em créditos através de seu CPF (ou 2 via do cpf) ou CNPJ.

Mas, afinal, você sabe como proceder com a energia solar excedente para receber seus créditos? Para descobrir, continue lendo este conteúdo do blog da Leveros Solar!

Como é a regulamentação do uso de energia solar no Brasil?

A Resolução Normativa da ANEEL nº 482/2012 é o marco regulatório da energia solar no Brasil. Desde 2012, os consumidores têm autorização para gerar sua própria energia a partir da aquisição e instalação de sistemas fotovoltaicos.

Então, os geradores trabalham para produzir energia solar que será convertida em elétrica pela empresa de distribuição mais próxima ao local.

As regras vigentes estabelecem critérios para utilização desse tipo de energia e propõem um sistema de compensação de créditos excedentes produzidos.

Na prática, isso significa que se o local produz mais energia do que consome, esse excedente é levado para a empresa distribuidora de energia em forma de créditos, que podem ser utilizados em outros endereços previamente cadastrados ou debitados das próximas contas em até 60 meses.

O que é transferência dos créditos de energia solar?

A pessoa jurídica ou física que possui um sistema fotovoltaico e produz energia excedente, pode transferi-la para outro local que não seja onde a energia é produzida.

Esse procedimento tem como principais vantagens:

  • produzir energia renovável sem impacto ambiental;
  • atuar por cerca de 25 anos de vida útil;
  • economia de até 95% no valor da conta de luz;
  • isenção tributária de impostos como PIS/COFINS e ICMS;
  • possibilidade de transferir energia para outros endereços cadastrados;
  • as unidades consumidoras cadastradas participam da distribuição de créditos;
  • economia para condomínio e conjuntos habitacionais através de rateio;
  • formação de cooperativas e convênios para estipular a distribuição de créditos.

Quais as modalidades de transferência de energia solar excedente?

Conheça agora os diferenciais de cada possibilidade de distribuição do crédito:

Autoconsumo remoto Os créditos de energia são distribuídos entre os locais previamente cadastrados e vinculados ao mesmo CPF ou CNPJ do consumidor cativo.
Geração em condomínios Cada apartamento recebe uma parte do rateio dos créditos para quitar suas despesas individualmente ou entre as áreas comuns.
Geração compartilhada O consumidor cativo é livre para definir qual vai ser o percentual de energia excedente para cada unidade vinculada.

Vale ressaltar que isso só é possível se os endereços forem cadastrados pelo mesmo titular com cobertura da mesma empresa que concede a energia elétrica.

Como pedir a transferência dos créditos de energia solar?

Confira o passo a passo para garantir mais economia para duas ou mais localidades do mesmo titular, sejam elas residências, empreendimentos comerciais ou industriais.

  1. Procure a concessionária de energia que atua na localidade e diga que deseja cadastrar endereços de mesma titularidade para distribuição de energia excedente.
  2. Preencha o formulário oferecido pela empresa, com informações sobre os endereços que pretende incluir.
  3. A concessionária de energia pede um prazo para analisar a solicitação.
  4. Uma vistoria técnica é solicitada para verificar as condições dos locais.
  5. Representantes da concessionária fazem a vistoria técnica e se certificam da segurança e bom funcionamento dos mecanismos necessários.
  6. A concessionária emite um relatório autorizando a transferência.

Lembre-se de que toda a energia que sobrar permanecerá na unidade consumidora cadastrada em seu nome. Curtiu saber disso? Então, acompanhe outros conteúdos informativos e visite o site da Leveros para mais detalhes sobre energia fotovoltaica!

Compartilhe este post ;)
Tags

Não existem tags para este post!

Inscrever
E-mail:
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários